A regulação do ecossistema mediático alterou-se com o aparecimento da Internet e dos Social Media. Deste modo, o paradigma mediático alterou-se drasticamente, transitando para uma via de interacção e troca de conteúdos com o público. Isto não implica que a comunicação e o que é constitutivo enquanto comunicação se tenha alterado. Pelo contrário, aquilo que se alterou foi a forma como é possível comunicar e gerar entendimento e interacção entre grupos e indivíduos.

Estamos inseridos num mercado cada vez mais heterogéneo e competitivo. Por essa razão, cada organização deverá adoptar um posição de bidirecionalidade de conteúdos. Aquilo que determina o sucesso de uma organização é a relação que esta possui com a sua envolvente e na forma como esta satisfaz os interesses e exigências do seu público. A unidireccionalidade e a produção de conteúdos de “um para muitos” deixaram de existir. A organização que opere no mercado com esta visão de comunicação será isolada pelo público. Por outras palavras, ser unidireccional na comunicação é o fracasso de uma organização.

Este novo ecossistema entre as organizações e o seu público é baseado no significado que é construído em comum. Além disso, passa pela criação de valor comum e interacção permanente. De certo, a Internet fez com que a interacção entre estes dois pólos não se desligasse. O feedback é, assim, algo inevitável e importante para o desenho estratégico posterior de uma organização. Este mundo cada vez mais comunicativo fez dos consumidores e restante envolvente os elementos detentores do controlo. Deste modo, cabe à organização, e em especial os profissionais de Relações Públicas, a adopção de uma posição pro-activa, capaz de se adaptar a contingências inesperadas e o instável.

A relação entre marca e consumidor aproximou-se com a introdução de redes social media. Porém esta nova ferramenta requer cuidado permanente. Com a introdução do mobile adveio a necessidade de monitorização constante por parte de profissionais na área da comunicação.

“Is it social media or just me media?”

A visão centralizada da comunicação é maliciosa para a sobrevivência de um ecossistema organizacional. O controlo da informação encontra-se na mão da envolvente. Por essa razão, a comunicação é distribuída, uma vez que coexistem trocas permanentes de informação entre estes elementos externos à organização. Em grande parte dos casos, as distinções evocadas pelos consumidores perante as organizações não são realizadas tendo em conta o produto ou serviço disponibilizado, mas pela identificação que se estabelece com determinada entidade, pela forma como esta comunica para o seu exterior e retêm o feedback externo. As redes sociais sugiram como leque variado de meios que possibilitou novas pontes de interligação entre o mundo organizacional e o mercado. A relação e a confiança empregues em cada organização resume-se pela sua transparência perante a envolvente. A transparência é algo imperativo, mas não radical. A radicalidade deste elemento causaria o fracasso do negócio e vulnerabilidade da entidade em questão. A visão de individualidade (ou me media) é uma visão errónea, uma vez que a organização, ao isolar-se no mercado, não tem acesso a fluxos informacionais sobre a sua concorrência e sobre as exigências da envolvente.

A reputação organizacional constrói-se pelo enquadramento e cooperação mútua entre a entidade e o seu público. Existe envolvimento organizacional quando as exigências são reconhecidas e implementadas no desenho estratégico. De certo, ao ver os seus interesses salvaguardados, a identificação com uma entidade processa-se pela troca de valores partilhados. A capacidade de enquadrar os valores de ambos os pólos permite integração, relação aproximada e criação de legitimidade.

Em suma, os Social Media permitem a troca entre valores institucionais e valores individuais. A identificação e a integração dos consumidores com a marca procede-se por esta rede de troca de conteúdos e intenções. Além disso, os valores são uma unidade a ter em conta nas estratégias de Relações Públicas. Este novo espaço de interacção, de troca de opiniões e partilha de valores fortalece a imagem gerada em torno da organização e a sua reputação a longo prazo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s